Notícias

Arraia Xingu, Arraia Negra (Potamotrygon leopoldi)

  • 02/11/2011
  • 4590 visualizações
Nome popular:
Arraia Xingu, Arraia Negra
Nome científico:
Potamotrygon leopoldi
Família:
Potamotrygonidae
Origem:
Brasil
pH:
6.0 ~ 6.8
gH:
--
Temperatura:
20 ~ 25ºC
Comportamento:
Pacífico, predador
Tamanho indivíduo:
40 à 60cm
Aquário:
Maior que 500L
Descrição:

Espécie contém circunferência ligeiramente oval cartilaginosa, centro do corpo mais elevado, bordas possui espessura mais finas; cauda mais curta que o comprimento do corpo possuindo no final ferrão venenoso usado para sua defesa; boca localizada na região central e focinho curto; por trás da cabeça apresenta dois espiráculos, onde a água entra e sai pelas guelras depois de absorvido oxigênio. Sua coloração possui o dorso negro com manchas brancas, incluindo a cauda, enquanto a parte ventral é branca.


Apesar de ocorrente em uma grande bacia hidrográfica, esta espécie possui intervalo bastante restrito, limitado a Bacia do rio Xingu, e sérios impactos nesta aregião pode resultar em declínios populacionais.


 Espécie ameaçada pela perda e degradação de seu habitat, envolvendo o desenvolvimento e expansão da agricultura, pecuária, mineração, pesca e exploração madeireira. Contaminantes da água, originários da cultura domésticas, também são considerados ameaças a esta espécie. São capturas e mortas devido o medo de picada e lesões que podem causar, além de juvenis capturados para o comércio internacional de peixes ornamentais, embora esta atividade seja regulada por sistemas de quotas por agências nacionais.

Alimentação:

Alimentando-se de invertebrados bentônicos e pequenos peixes, em cativeiro dificilmente aceita alimentos secos, preferindo alimentos vivos ou congelados.

Quando jovens alimenta-se de alimentos vivos como artêmias, larvas de mosquito e pequenos caracóis. Adultos alimentam-se de peixes vivos, caracóis grandes e pedaços de carnes magras como de peixes, além de camarão e mariscos.

Dimorfismo sexual:

Machos apresentam nadadeiras ventrais adaptado em forma de “garras” e até atingirem a maturidade sexual, são menores que as fêmeas. Machos possuem apêndices par conhecido como clásperes, um em cada nadadeira pélvica.

Reprodução:

Fertilização: interna, Ovos e larvas: cerca de 4 – 12 filhotes, nascem em até 26-28 semanas

Acasalamento e ciclo de vida: Período de gestação varia entre 26 e 28 semanas, dando origem em média 7-8 espécimes com cerca de 6 a 10cm. sugerem que esta espécie possui fecundidade alta comparada com outros potamotrigonídeos, variando de 4 a 12 filhotes por ninhada
 
Pais ou adultos de Arraias não costumam predar os filhotes, mas deve-se retirá-los por segurança.

 

 

 

Mais Informações:
O fundo do aquário deverá ser totalmente livre e com substrato formado por areia fina e macia.
 
Esta espécie é de longe a mais tímida e pacífica das Arraias, não sendo aconselhado misturá-los com outras Arraias mais agressivas ou de porte muito maior. Após habituado ao aquário, pode até mesmo se alimentar diretamente na mão de seu criador. Passa a maior parte do dia enterrado, quando durante a noite sai para caçar presas menores.

Quando jovens podem viver em pequeno grupo, quando adultos vivem sozinhos.
A qualidade da água deverá ser mantida excelente com trocas parciais regulares. São bastante sensíveis a amônia e nitrito, assim como muitos produtos químicos e medicamentos.
 
Saiba mais sobre Arraias de água doce
 
Fonte: Wikipedia, RevistaAquario
W3TOOLS