Notícias

Piranha de barriga vermelha (Pygocentrus nattereri)

  • 01/09/2011
  • 5694 visualizações
Nome popular:
Piranha de barriga vermelha
Nome científico:
Pygocentrus nattereri
Família:
Characidae
Origem:
Guiana até La Plata
pH:
6,4 ~ 6,8
gH:
--
Temperatura:
24 ~ 27°C
Comportamento:
Agressivo
Tamanho indivíduo:
30 ~ 34cm
Aquário:
>80L
Descrição:

A piranha de barriga vermelha é uma espécie  oriunda do Rio Amazonas no norte do Brasil.

Tem a reputação de ser um dos peixes de água doce mais ferozes do mundo com seus dentes afiados capazes de arrancar pedaços de suas presas e outros animais mortos.

Como o seu  nome sugere, possuem a barriga vermelha quando adultos, característica principal da espécie, embora quando jovens possuam uma cor prateada com manchas pretas.

Contudo, apesar da sua reputação este peixe é passível de manter em aquários e diveros aquariofilistas apreciam sua ferocidade.

Alimentação:

No seu meio natural, alimentam-se de outros peixes, insetos, vermes, crustáceos e, por vezes, de seres de maior porte, mortos ou vivos. Normalmente caçam em grupo ao amanhecer e entardercer, localizando a presa atravéz do cheiro ou movimento da mesma.

 
Em aquário, não é aconselhável a sua alimentação com alimento vivo, pois poderão introduzir doenças ou lesar a piranha.
 
O peixe-dourado, por exemplo, comtém um hormonio inibidor de crescimento qque pode afetar negativamente o nosso predador. 
 
Esta será talvez uma das dificuldades na manutenção desta espécie, pois, apesar de tudo, preferem alimento vivo. 
Dimorfismo sexual:

Embora pouco perceptível, os machos são ligeiramente menores que as fêmeas, esta possui coloração mais avermelhada na parte inferior de seu corpo. Vistos de frente, machos possuem barriga em forma de V, enquanto fêmeas em U.

Reprodução:

Esta espécie reproduz-se entre Abril e Maio durante a estação das chuvas. O macho constrói um ninho entre as rochas e a 

vegetação enquanto espera pela fêmea. Esta, pode produzir cerca de 600 ovos que o macho fertiliza, após o qual se torna 
extremamente territorial durante a desova. Assim que os ovos eclodem, ambos os progenitores guardam a prole. A sua 
reprodução, apesar de difícil, é possível em aquário.
Mais Informações:

Por vezes, o aquariofilista fica um pouco desiludido ao adquirir esta espécie, pois esta apresenta-se com uma certa timidez. O aquário deve conter algumas plantas de grande dimensão como as Echinodorus amazonicus, assim como algumas flutuantes para diminuir um pouco a intensidade da luz que penetra na água.

 
O aquário também deverá ter raízes e rochas para criar refúgios para que possam se esconder ou proteger.
 
Outra dica importante: lembre de controlar minuciosamente a qualidade de água, e um outro pormenor, preferem aquários que estejam diretamente iluminados pela luz solar.
Fonte: Revista Bioaquaria
W3TOOLS