Peixe-leão pode dizimar espécies marinhas na costa da América do Sul.

  • 14/08/2011
  • 2917 visualizações
  • Com cerca de 35cm, o peixe-leão tem um estômago que pode expandir até 30 vezes o seu volume inicial.

    Com cerca de 35cm, o peixe-leão tem um estômago que pode expandir até 30 vezes o seu volume inicial.

  • Ele representa uma séria ameaça à fauna local de peixes e invertebrados de que se alimentam.

    Ele representa uma séria ameaça à fauna local de peixes e invertebrados de que se alimentam.

  • Nativo dos Oceanos Pacífico e Índico, o peixe-leão tornou-se uma forte ameaça a biodiversidade marinha.

    Nativo dos Oceanos Pacífico e Índico, o peixe-leão tornou-se uma forte ameaça a biodiversidade marinha.

  • Atrativo pelas suas cores brilhantes e barbatanas diferenciadas.

    Atrativo pelas suas cores brilhantes e barbatanas diferenciadas.

  • Acredita-se que essa espécie tenha chegado a América do Sul devido a passagem do furacão Andrew, na Flórida, EUA.

    Acredita-se que essa espécie tenha chegado a América do Sul devido a passagem do furacão Andrew, na Flórida, EUA.

  • O peixe-leão, tem toxinas que não são fatais mas causam muita dor, seu apetite é voraz e engole presas inteiras.

    O peixe-leão, tem toxinas que não são fatais mas causam muita dor, seu apetite é voraz e engole presas inteiras.

Nativo dos Oceanos Pacífico e Índico, o peixe-leão (Pterois volitans) tornou-se uma forte ameaça a biodiversidade marinha da costa da América do Sul. Atrativo pelas suas cores brilhantes e barbatanas diferenciadas, o peixe-leão, tem toxinas que não são fatais mas causam muita dor, seu apetite é voraz e engole presas inteiras. Se alimenta de vários peixes menores e causa desequilíbrio no ecossistema, podendo inclusive gerar extinção de outras espécies.

Saiba um pouco mais sobre a ameaça que o Peixe-leão traz a biodiversidade marinha.

Fonte: Terra
W3TOOLS